15 peças para trompa e piano op. 47

João Carlos Alves

Ref. ava110616

15 peças para trompa e piano op. 47
Introdução

As 15 peças para trompa e piano, são obras que funcionam como peça, e como estudo em simultâneo, para que sejam mais estimulantes e interessantes para os alunos.
As peças ordenam-se por dificuldade progressiva, e devem ser tocadas numa trompa em fá.
São todas peças de iniciação e espero que ajudem a atenuar a dificuldade própria do instrumento e que incentivem os alunos nesta primeira fase de aprendizagem.

Nº1 – A sorrir
Nesta peça é importante que o aluno tenha noção da altura das notas, salientando um pouco o ataque mas sempre naturalmente, por forma a manter o som estável. A extensão vai desde dó a sol, para que este registo possa ser bem trabalhado.
Nº2 – Dar as mãos
Esta peça é baseada nos harmónicos, que devem ser cuidadosamente trabalhados, sem acentuar qualquer nota, e as ligaduras bem apoiadas com o ar. O registo passa de 5ª para 6ª.
Nº3 – A história da avó
Esta melodia deve ser tocada com grande leveza. A escala de dó M deve ser feita com atenção ao “staccato” e à afinação. Tem já uma extensão de oitava.
Nº4 – A brincar no escorrega
Esta é uma peça de iniciação ao estudo das notas graves. Utiliza também ritmos diferentes, que eventualmente servirão para o estudo de trilos e para o “staccato”, entre outras técnicas.
Nº5 – Outono
Esta peça serve de introdução aos trilos, feitos com duas notas na mesma posição, ou seja, deve tentar manter-se um bom controlo do ar, bem apoiado pelo diafragma, salientando no entanto que não são os lábios que fazem o trilo, mas sim o ar. Os trilos podem ser trabalhados com o ritmo da peça nº4.
nº6 – O pequeno coelho
A extensão no registo grave vai até à nota sol. Esta peça serve também para praticar o “staccato”, dando um impulso do diafragma à nota acentuada (ao invés de usar a língua), nunca esquecendo o ar.

Nº 7 – Duas pequenas idéias
Esta peça tem uma melodia com um registo maior. Deve ser tocada com leveza.
Nº8 – Os meninos do coro
Esta peça trabalha essencialmente as ligaduras e o “staccato”. Não se devem acentuar as ligaduras e estas devem manter a mesma dinâmica. As notas articuladas devem ser curtas, leves, e com muito ar.
Nº9 – Os meninos a subir a montanha
A extensão desta peça é de praticamente duas oitavas, o que será o máximo para a iniciação. Baseia-se na série dos harmónicos de uma oitava, e de quinta.
Nº10 – O pequeno soldado
O uso dos contratempos é a base desta peça. Devem ser salientadas as notas curtas e as acentuadas.
Nº11 – O elefante a correr com o menino
Esta peça é a mais completa no que respeita aos elementos rítmicos. Começa com ff que deve ser tocado sem língua e bem apoiados pelo diafragma. Nos compassos 7 e 8, o “crescendo” deve ser bastante saliente e a nota do compasso 8 deve ser tocada com a mesma intensidade do dó do último tempo do compasso 7. No compasso 14 deve -se procurar uma boa junção com o piano.
Nº12 – O miminho da mãe
À semelhança das outras peças, esta deve ser tocada com leveza, e com notas bastante longas.
Nº13 – Saltitando
Esta peça serve para trabalhar o “staccato” rápido. Deve ser tocada com rapidez, mas sem esquecer a clareza da articulação.
Nº14 – Música divertida
Esta peça deve ser tocada com notas longas e bem salientes, sempre com a articulação bem definida.
Nº15 – A toca
Esta peça já requer mais rapidez no “staccato” e o aluno tem que conseguir dar uma boa direcção à melodia.




text-align: left;text-align: left;